terça-feira, 2 de setembro de 2014

Vendaval vira ultraleve e desloca dois aviões no Aeroporto de Pres. Prudente

Temporal ainda destruiu cobertura do estacionamento e placas.
Daesp já começou trabalhos para destombar a aeronave nesta terça (2).

Vinícius Pacheco Do G1 Presidente Prudente
Ventos chegaram a 100 km/h, segundo climatologista (Foto: Agessander Rampazo/Arquivo Pessoal)Ventos chegaram a 100 km/h, segundo climatologista (Foto: Agessander Rampazo/Arquivo Pessoal)
Um ultraleve modelo Paradise, com capacidade para duas pessoas, tombou com a força dos ventos no Aeroporto Estadual  "Ademar de Barros", em Presidente Prudente, na noite desta sexta-feira (2), durante um temporal que atingiu a cidade. Outros dois aviões, um Mitsubishi turbohélice com capacidade para nove pessoas e um ATR da Companhia Azul com 70 lugares, que também estavam estacionados na pista, foram deslocados pelas rajadas.
De acordo com o Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), já foram feitos os trabalhos para o destombamento da nave. Também foi providenciado a lavagem do local, para evitar qualquer possibilidade de incidência de chamas por conta do vazamento do combustível. Ninguém se feriu.
As coberturas do estacionamento caíram sobre os carros. Os trabalhos de limpeza e manutenção do local devem ser executados nesta quarta-feira (3), conforme o Daesp.
Segundo o aluno de pilotagem Javier Vasquez Samieiro, que estava em um alojamento ao lado do aeroporto, só foi possível ver o tempo fechado e ouvir o barulho da ventania. "Quando saímos dos quartos, nos deparamos com a aeronave virada. Além disso, tem pedaços do telhado por todo lado", afirma.
O também aluno de pilotagem Valmir José Eugênio afirma que o barulho era semelhante à aterrissagem de um avião de grande porte. "Foi muito rápido. A chuva durou uns 15 minutos", diz.
A tempestade durou cerca de meia hora e houve registros de granizo, além de rajadas de vento de até 100 km/h, de acordo com o climatologista da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), Vagner Camarini.
O temporal aconteceu devido à chegada de uma frente fria, que se chocou com uma massa de ar seco forte que estava sobre a região, segundo ele.
Pelas ruas da cidade, o Corpo de Bombeiros registrou quedas de outdoor e fiação elétrica. Ao todo, a corporação recebeu 100 chamados relacionados à árvores caídas. ainda foram Diversos pontos estavam sem energia na noite desta terça-feira. O G1 tentou entrar em contato com
Aerovane tem capacidade para duas pessoas (Foto: Vinícius Pacheco/G1)Aerovane tem capacidade para duas pessoas (Foto: Vinícius Pacheco/G1)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Empresa desiste de obra em Confins e provoca impasse com Infraero

Consórcio alega que contrato terminou em 28 de agosto e não tem interesse de prosseguir com os trabalhos. Estatal diz que medida pode acarretar em punição.

Estado de Minas
Publicação: 01/09/2014 13:54 Atualização: 01/09/2014 15:14
A Infraero vai analisar a situação de impasse entre a estatal e a empresa contratada para a execução da ampliação e reforma do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O problema começou na última quinta-feira depois que a Infraero foi informada sobre a desistência da construtora Marquise/Normatel em finalizar os trabalhos. Nesta segunda-feira, procurada pelo em.com.br, a Infraero disse que vai se reunir em data ainda ser definida com a BH Airport, a nova concessionária responsável pela administração do terminal, para definir a melhor forma de dar continuidade às obras.

A construtora alegou que há um "desequilíbrio contratual", provocado por atrasos na entrega de projetos executivos e em função do gasto de R$ 44 milhões com a rescisão contratual de 300 funcionários. De acordo com o consórcio, os trabalhadores tiveram que ser dispensados devido à paralisação das obras durante a Copa do Mundo. O consórcio alegou que o contrato acabou em 28 de agosto e não tem interesse em continuar com os trabalhos.


A Infraero, por sua vez, afirma que a medida da empresa é passível de multa e penalidade. O consórcio pode ser impedido de participar de novas licitações. Segundo a estatal, o contrato para a obra de reforma e ampliação do terminal de passageiros de Confins foi assinado em agosto de 2011, com orçamento de R$ 223,9 milhões. O prazo para a conclusã era janeiro de 2014.

Em 22 de fevereiro de 2013, um termo aditivo foi firmado entre as partes, com o acréscimo de R$ 475,3 mil no valor de contrato. O prazo para o fim das obras sofreu o primeiro atraso e foi remarcado para abril de 2014. O prazo de vigência do contrato também foi prorrogado de abril para julho de 2014.

O contrato teve a segunda prorrogação em 21 de janeiro de 2014, quando foi assinado outro termo aditivo, quando foram acrescidos serviços no valor de R$ 17,3 milhões, a serem entregues em agosto. A Infraero explicou também que o acordo firmado com o consórcio teve o seu prazo vigente estendido para o novembro deste ano.

O consórcio Marquise/Normatel informou que 51% do projeto já foi concluído e garantiu que vai terminar as obras em andamento. Entretanto, o grupo informou que não vai dar início a novas frentes de trabalho.

O contrato entre a estatal e a construtora inclui, entre outros itens, reforma das salas de embarque internacional e doméstico; reforma do desembarque internacional; instalação de elevadores; troca de escadas rolantes; execução do prédio comercial, estação de tratamento de água, subestação de energia, sistemas elétricos e de TI, alteração do layout do check-in. O consórcio informou que a obra do edifício comercial e a instalação dos aparelhos de ar-condicionado, dos elevadores das escadas rolantes e dos equipamentos de raio X não serão entregues. A Infraero não informou quando o aeroporto de Confins será entregue totalmente reformado à população.

Últimas imagens mostram conversa de tripulantes de avião antes da queda: Para assistir, clique no link no final

Vídeo foi feito por empresário que pegou carona com piloto de monomotor.
Aeronave caiu em Curitiba após decolar no Aeroporto do Bacacheri.

Do G1 PR, com informações da RPC TV Maringá
Um vídeo feito por um passageiro do avião que caiu em Curitiba no sábado (30) mostra o piloto Cléber Luciano Gomes e o empresário Silvio Roberto Romanelli horas antes do acidente conversando dentro do aeronave. O registro foi feito pelo empresário Reginaldo Frez, de Maringá, no norte do estado, enquanto a aeronave espera a autorização para decolar e durante a viagem de Maringá para Curitiba - onde Frez e o vendedor Eládio Silvestre participariam de um Campeonato Paranaense de Sinuca. Este era o segundo voo realizado pela aeronave no sábado, após ir de Londrina para Maringá pela manhã. Cléber Luciano Gomes e Silvio Roberto Romanelli. morreram horas depois no terceiro voo feito pela aeronave, que saiu de Curitiba para Londrina. O avião caiu logo após decolar do Aeroporto do Bacacheri.
Os trechos mostram Romanelli e os passageiros brincando sobre o espaço do avião e também sobre a idade da aeronave. “Agora vocês veem como é andar nesse avião”, fala Silvio Romanelli para os dois passageiros que estão no banco de trás do monomotor. “É bem espaçoso”, acrescenta o empresário. Em seguida um dos passageiros pergunta para o piloto Gomes sobre a idade do avião. “Que ano é esse avião aqui? É de setenta e alguma coisa”, diz o piloto.
O empresário Reginaldo Frez, contou ainda que durante o voo os quatros brincaram sobre um possível problema no avião. “Eu perguntei para o Cleber ‘E se acontecer alguma coisa?’, ele me disse que o avião poderia plainar e logo depois aterrissar em qualquer lugar. Quando chegamos próximo a Curitiba ele [piloto] disse que somente naquele lugar não poderia aterrissar”, diz o empresário.
Entenda o acidente
O monomotor modelo Cessna 177 caiu no bairro Bacacheri, em Curitiba, por volta das 13h30 do sábado. A aeronave que era de Londrina, no norte do Paraná, levava quatro ocupantes – três morreram. O avião decolou no Aeroporto do Bacacheri e atingiu uma casa logo em seguida. Segundo o dono da aeronave, Marcelo Montezuma, o avião tinha feito duas viagens antes de cair na capital paranaense. Pela manhã, a aeronave viajou de Londrina para Maringá e, em seguida, de Maringá foi para Curitiba.
O avião não tinha caixa preta e o Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) vai analisar o motor e algumas peças da aeronave. Os peritos da aeronáutica trabalham com as hipóteses de o motor ter tido algum problema ou de falha humana.
O vendedor Eládio Silvestre, que também pegou carona com o piloto Cleber Gomes de Maringá para Curitiba, disse que a viagem foi tranquila e, em nenhum momento, a aeronave apresentou qualquer problema. “Nós confiávamos no Cléber, ele era um piloto experiente. Só deu um pouquinho de medo na descida porque não tínhamos experiência com avião pequeno. Viajamos até Curitiba e não sentimos nenhum balanço”, lembra Silvestre.
Tanto Silvestre quanto Frez ficaram sabendo do acidente por um dos participantes do Campeonato Paranaense de Sinuca que morava há uma quadra do local onde o avião caiu.


 http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2014/09/imagens-mostram-conversa-de-tripulantes-de-aviao-antes-da-queda.html

AERONAVES REPORTAM INTERFERENCIA NAS FREQUENCIAS DO ACC-BS

A mais de 2 semanas, aeronaves reportam interferencia de rádio e telefonia celular nas frequencias do ACC-BS, 135.550mhz, 128.050, 126.150, 134.000

Foto mostra queda de balão perto de aeronave no Aeroporto de Viracopos

Funcionária de companhia registrou incidente na noite deste sábado (30).
Caminhões de combustível estavam no local antes da queda, diz internauta.

Do G1 Campinas e Região
Balão cai próximo de avião no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, SP (Foto: Reprodução EPTV)Balão cai próximo de avião no Aeroporto de
Viracopos (Foto: Reprodução EPTV)
A queda de um balão surpreendeu funcionários do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas(SP), segundo uma telespectadora da EPTV, afiliada da TV Globo. Maria Aparecida, que é funcionária de uma companhia aérea, disse que alguns caminhões que abastecem os aviões estavam no local pouco antes da ocorrência, na noite de sábado (30).

Uma aeronave estava parada no local e, ainda segundo a telespectadora, que enviou uma foto pelo aplicativo do Jornal da EPTV, o balão foi retirado por funcionários da concessionária que administra Viracopos e o caso não interferiu no funcionamento do aeroporto.

A concessionária Aeroporto Brasil Viracopos confirmou que o funcionamento do terminal aéreo não teve alterações.

Aeronave faz pouso forçado em fazenda na região de Pirajuí

Segundo a Polícia Militar, os três ocupantes ficaram feridos.
Aeronave saiu de Marília com destino a Franca, informa a FAB.

Do G1 Bauru e Marília
Piloto levava uma empresária de Marília e o filho dela (Foto: Pablo Valler/TV TEM)Piloto levava uma empresária de Marília e o filho dela (Foto: Pablo Valler/TV TEM)
Aerona fez um pouso forçado em Pirajuí  (Foto: Pablo Valler/ TV TEM )Aeronave fez um pouso forçado em Pirajuí
(Foto: Pablo Valler/ TV TEM )
Uma aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado em uma fazenda que fica na vicinal Prefeito Anibal Haman, próximo às Penitenciárias I e II de Pirajuí (SP) na manhã desta quarta-feira (27).
De acordo com as informações da Polícia Militar, havia três ocupantes na aeronave: o piloto e dois passageiros - mãe e filho - que ficaram levemente feridos. Inicialmente, a polícia disse que o pouso teria sido em uma área de canavial, mas a informação não foi confirmada. Ainda não se sabe que tipo plantação existe na fazenda.
Segundo informações da Agência Nacional de Aviação (Anac), o avião é um monomotor Bonanza modelo F33A, de matrícula PT-JRY. De acordo com a Força Áerea Brasileira (FAB), a aeronave saiu de Marília (SP) com destino a Franca (SP).
A polícia isolou o local do acidente e o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) vai investigar as causas do pouso forçado. A suspeita é de que tenha havido algum problema técnico. Em nota, a assessoria de imprensa da Anac também informou que, segundo o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a aeronave está com a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) e o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válidos.
Os feridos foram levados para Santa Casa de Pirajuí, foram atendidos no setor de raio-x e passam bem. Segundo informações do hospital, os passageiros são donos de uma loja de calçados em Marília .
Avião teve a frente danificada com o pouso (Foto: Pablo Valler/TV TEM)Avião teve a frente danificada com o pouso (Foto: Pablo Valler/TV TEM

domingo, 31 de agosto de 2014

Ultraleve faz pouso forçado em fazenda de Tremembé, interior de SP

Pane no motor teria obrigado o piloto a descer no local.
Aeronave havia decolado do aeroclube de Pindamonhangaba.

Do G1 Vale do Paraíba e Região
Ultraleve fez aterrissagem forçada no final da tarde deste domingo (31) em fazenda de Tremembé, no interior de São Paulo (Foto: Lucas Henrique Magalhães)Ultraleve fez aterrissagem forçada no final da tarde deste domingo (31) em fazenda de Tremembé, no interior de São Paulo (Foto: Lucas Henrique Magalhães)
Uma aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado na tarde deste domingo (31) em uma fazenda de Tremembé, interior de São Paulo. O ultraleve havia decolado de Pindamonhangaba e seguia para Taubaté, quando teria sofrido uma pane no motor. Após a queda, os ocupantes deixaram o local em um carro. A aeronave ficou na propriedade e não houve feridos.
As informações sobre a decolagem e destino da aeronave foram informadas pelo Aeroclube de Pindamonhangaba. O aparelho, prefixo PU-SBL, decolou do local por volta de 17h e momentos depois teria sofrido uma pane.
A perda de altitude e o pouso forçado foram presenciados por moradores da Fazenda Conquista, uma área de assentamento do Incra, onde o ultraleve pousou. O sobrevôo em baixa altitude foi acompanhado pelos moradores. "Eu vi ele perdendo altitude, devagarinho, e veio descer aqui na plantação. Era um casal no avião. O rapaz saiu e disse que havia dado um problema no motor, mas recusou ajuda. Eles foram embora em um carro e deixaram o avião aí", disse Benedita Cleonice Moreira, moradora do local.
Aeronave logo após o pouso forçado. (Foto: Lucas Henrique Magalhães)Aeronave logo após o pouso forçado na Fazenda
Conquista. (Foto: Lucas Henrique Magalhães)
Alguns danos à propriedade de Dona Benedita aconteceram após a queda, quando houve uma forte ventania na cidade de Tremembé. "Virou o avião, acertou a fiação e deixou as casas daqui sem luz e arrebentou todo o aparelho", explica Cleonice. Próximo ao local da aterrissagem estão cinco casas, todas pertencentes à área de assentamento.
A área foi isolada pela Polícia Militar. As 9h da noite de domingo o aparelho ainda permanecia no local. A Aeronáutica, em Guaratinguetá, informou não ter sido comunicada do acidente. O proprietário da aeronave não foi encontrado para comentar o caso