sábado, 30 de agosto de 2014

Avião cai e atinge casa em bairro de Curitiba, dizem bombeiros

Acidente aconteceu por volta das 13h30 deste sábado (30), no Bacacheri.
Informação dos bombeiros é de que duas pessoas morreram na queda.

Adriana Justi, Luciane Cordeiro e Thais Kaniak Do G1 PR
Avião cai em cima casa em bairro de Curitiba, dizem bombeiros  (Foto: Thais Kaniak / G1 )Avião cai em cima casa em bairro de Curitiba, dizem bombeiros (Foto: Thais Kaniak / G1 )
Um avião monomotor modelo Cessna 177 caiu e atingiu uma casa na Rua Nicarágua, em Curitiba, nas proximidades do Aeroporto do Bacacheri por volta das 13h30 deste sábado (30), segundo o Corpo de Bombeiros. A aeronave tinha acabado de decolar do aeroporto e seguia para Londrina, no norte do estado, segundo a Infraero. Após a queda, o avião explodiu.
 O G1 publicou que três pessoas tinham morrido. A informação sobre a terceira morte foi passada pela assessoria de imprensa do Hospital Evangélico de Curitiba, que corrigiu a informação às 15h30.
Pelo menos quatro pessoas estavam a bordo – duas morreram na hora. Segundo os bombeiros, o piloto e o copiloto do avião morreram.
O Hospital Evangélico, para onde foi levado um dos ocupantes da aeronave, chegou a confirmar que ele havia morrido no hospital. Porém, depois, informou que a vítima foi reanimada e estava no centro cirúrgico. Este ocupante é sobrinho do deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PMDB), que confirmou ao G1 se tratar do sobrinho mais velho dele, de 51 anos de idade. De acordo com o deputado, a família também chegou a ser informada sobre a morte de Sílvio Roberto Romanelli.
O outro ocupante da aeronave ficou ferido e foi encaminhado para o Hospital do Trabalhador. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), responsável pelo hospital, o homem está em estado grave. Ele está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com múltiplas faturas na face, no quadril, na coluna e no tórax.
Elisabete do Rosário disse que estava nos fundos da casa quando ouviu o barulho da queda do avião (Foto: Thais Kaniak/ G1 Paraná)Elisabete do Rosário disse que estava nos fundos
da casa quando ouviu o barulho da queda do avião
(Foto: Thais Kaniak/ G1 Paraná)
Na casa estavam duas mulheres e uma criança. Elas não se feriram.
"Acredito que ele tentou levantar, mas não deu certo. Ele bateu no poste e, acho que foi por isso que ele não entrou dentro de casa, não quebrou a parede. Logo depois ouvimos a explosão. Estávamos na cozinha e ouvimos o barulho. Pensei que tivesse sido um acidente com um carro, mas na hora que cheguei na sala vi uma parte da asa e só pensei em pegar a minha mãe e a minha filha para sairmos de casa. A hora que pegou fogo já tínhamos saído", disse uma das moradoras da casa Elisabete Pascoal do Rosário.
Em entrevista ao G1 por telefone, o dono da aeronave, Marcelo Montezuma, afirmou que o avião já tinha feito duas viagens neste sábado. Pela manhã, ele, a esposa e filha decolaram de Londrina para Maringá, que também fica no norte do Paraná, para participar de uma feira de aviação. Na feira, o piloto e o sobrinho do deputado emprestaram o monomotor. “O piloto e o Silvio pediram a aeronave porque precisavam levar dois atletas para um campeonato de sinuca em Curitiba. Assim que deixassem os atletas, retornariam para Londrina com outras duas pessoas”, disse Montezuma.
O proprietário da aeronave ainda afirmou que o piloto era um profissional experiente com muitas horas de voo, e que o avião tinha passado por manutenção há pouco mais de 20 dias. “O avião não tinha nenhum problema mecânico ou técnico, estava tudo certo. Inclusive na hora que eles decolaram a condição climática era favorável. Não sei o que pode ter acontecido”, pontua Marcelo Montezuma.
avião cai em curitiba (Foto: Reginaldo Luciano Frez / Arquivo Pessoal)Avião em Maringá antes de voar para Curitiba (Foto: Reginaldo Luciano Frez / Arquivo Pessoal)
O comerciante Reginaldo Luciano Frez, de 41 anos, fez a viagem de Maringá a Curitiba no avião, conforme contou ao G1. Ele era amigo do piloto e pegou uma carona no voo, já que precisava ir à capital paranaense para participar de um campeonato de sinuca. “Ele [o piloto] era meu amigo. Como ele estava vindo para Curitiba e sabia que eu viria para cá, perguntou se eu queria vir junto. Foi uma viagem tranquila. O avião decolou normalmente. O pouso foi tranquilo também”, afirmou Frez. Ele não embarcou na aeronave para voltar ao norte do estado porque a carona era apenas para a ida.
O Centro Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos no Paraná vai investigar as causas do acidente.
Avião tinha decolado no aeroporto do Bachacheri (Foto: Rodrigo Pinto/ ÓTV - RPCTV)Avião tinha decolado no aeroporto do Bachacheri (Foto: Rodrigo Pinto/ ÓTV - RPCTV)
  •  
Aeronave pegou fogo após cair em cima de casa (Foto: Caroline Mafra/ RPC TV)Aeronave pegou fogo após cair em cima de casa (Foto: Caroline Mafra/ RPC TV

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Exercício de guerra simulada inicia segunda fase

Publicado: 29/08/2014 15:44h
Imprimir
Diferentes cenários de guerra e novas aeronaves elevam o nível de complexidade na Operação BVR2/Sabre
A expectativa é que, ao fim do exercício, sejam realizadas 1.300 decolagens  Cb Vinícius Santos/Agência Força AéreaO Exercício Operacional BVR2/Sabre, que reúne mais de 60 aeronaves e 500 militares na Base Aérea de Anápolis (BAAN), entra em uma nova fase. Vão entrar em ação as aeronaves A-29, A-1, R-35A e, pela primeira vez nesse tipo de exercício, a Aeronave Remotamente Pilotada Hermes 450. Também irá participar o Primeiro Grupo de Defesa Antiaérea (1° GDAAE).
“Até agora nosso treinamento estava voltado somente para o combate aéreo simulado. A partir da próxima semana passamos a incluir ataques de solo, além de novas aeronaves”, destaca o Coronel Paulo Roberto Moreira de Oliveira, Chefe do Estado-Maior da Terceira Força Aérea (III FAE). Já estavam em ação caças F-5M, aviões-radar E-99 e o reabastecedor KC-130 Hércules.
Iniciado no dia 18 de agosto, o exercício segue até o dia 18 de setembro.

Confira as imagens da primeira fase do exercício operacional BVR2/Sabre:




Assunto(s):

 

 

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Barraco no ar: polícia intervém em briga de passageiros por espaço em voo nos EUA

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação
    O Knee Defender ("defensor de joelho") impede que o passageiro à frente recline o encosto da cadeira O Knee Defender ("defensor de joelho") impede que o passageiro à frente recline o encosto da cadeira
Rusgas devido à falta de espaço (e conforto) dentro de aviões são comuns. Mas, no caso de um voo 1462 da United Airlines, que ia de Nova Jersey a Denver (EUA), a polícia precisou intervir para solucionar um "barraco" cujo estopim foi o "direito" de poder reclinar o encosto do assento. E o resultado foi uma hora e meia de atraso na viagem.
Um passageiro usando um dispositivo que impede que a pessoa sentada à frente dele recline o assento – conhecido como "Knee Defender" ("defensor de joelho") – se recusou a retirar o gadget quando solicitado. O dispositivo, em geral, é preso à bandeja abaixada que serve o passageiro "necessitado" de espaço.
A briga entre os dois passageiros – um homem e uma mulher, ambos de 48 anos – fez com que o voo 1462 fosse desviado para o aeroporto de Chicago.
A companhia aérea não revelou os nomes dos envolvidos, mas foi o homem que prendeu o Knee Defender enquanto usava o laptop apoiado na bandeja. Irritada com a situação, a mulher jogou água no passageiro depois de ele insistir em usar o gadget preso ao assento dela.
A FAA (sigla em inglês da Administração Federal de Aviação dos EUA) deixa a decisão de proibir o uso do dispositivo a cada companhia aérea. A United Airlines é uma das várias empresas que não tolera o uso do Knee Defender.
A polícia de Chicago e agentes da TSA (sigla em inglês da Administração de Segurança nos Transporte) retiraram os dois passageiros do voo, mas não prendeu nenhum deles. A FAA pode aplicar uma multa de até US$ 25 mil (R$ 56 mil) ao homem pelo uso do Knee Defender.
Após o "barraco", o avião continuou seu trajeto até Denver, mas atrasou uma hora e meia do horário previsto para a chegada. (Com AP)

Acidente com pequeno avião mata quatro estudantes nos EUA

Testemunhas disseram que avião caiu e pegou fogo após decolar.
Acidente com avião Cessna ocorreu em Richmond Heights, Ohio.

Da Associated Press
Investigadores fotografam destroços do avião ao lado de uma via em Richmond Heights, no estado americano de Ohio. As quatro pessoas a bordo morreram no acidente (Foto: Tony Dejak/AP)Investigadores fotografam destroços do avião ao lado de uma via em Richmond Heights, no estado americano de Ohio. As quatro pessoas a bordo morreram no acidente (Foto: Tony Dejak/AP)
Um pequeno avião caiu e pegou fogo logo após a decolagem matando as quatro pessoas a bordo em Ohio, nos Estados Unidos. O acidente com o Cessna 172R ocorreu às 22h (horário local) da segunda-feira (25) na cidade de Richmond Heights.
Uma testemunha, Mark Gerald, de 45 anos, disse que estava sentado na varanda de sua casa quando o avião caiu nas proximidades. Ele disse que viu o momento em que a aeronave atingiu o chão. "Achamos que havia chances [de ajudar]. estava muito quente. Toda fuselagem estava envolta [nas chamas]", disse ele.
Os quatro homens mortos no desastre eram estudantes da Universidade Case Western, de Cleveland. Eles tinham entre 18 e 20 anos.
Carcaça de avião que caiu em Richmond Heights, em Ohio (Foto: AP)Carcaça de avião que caiu em Richmond Heights, em Ohio (Foto: Tony Dejak/A

Confins terá voo direto para Punta Cana

A expectativa é que a operação inicie-se a partir de 24 de novembro

Pedro Rocha Franco
Publicação: 26/08/2014 07:16 Atualização: 26/08/2014 10:49

O paraíso caribenho é um dos principais destinos de brasileiros no exterior devido às suas praias de areias cristalina e resorts com pacotes all-inclusive  (AFP/Erika Santelices)
O paraíso caribenho é um dos principais destinos de brasileiros no exterior devido às suas praias de areias cristalina e resorts com pacotes all-inclusive

O aeroporto de Confins pode receber mais um voo internacional. A GOL encaminhou pedido à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para a operar a rota direta para Punta Cana, na República Dominicana. O paraíso caribenho é um dos principais destinos de brasileiros no exterior devido às suas praias de areias cristalina e resorts com pacotes all-inclusive (em que todas as refeições, petiscos e bebidas estão incluídos). A expectativa é que a operação inicie-se a partir de 24 de novembro. Com isso, o aeroporto internacional terá ligação direta com cinco cidades do exterior. Confins também terá ligação direta com Campo Grande em voo operado pela Azul, permitindo acesso facilitado ao Pantanal Sul.

Pela solicitação, os mineiros sairiam do Tancredo Neves ao meio-dia de quarta-feira para pousar na República Dominicana às 18h30. O voo originado em Punta Cana decola às terças-feiras, às 23h30, para chegar em Minas às 5h30. A empresa usará um Boeing 737-800 tem capacidade para 177 passageiros.

Além de permitir acesso facilitado dos mineiros ao paraíso caribenho, a rota pode servir para conectar Minas com dezenas de outros países. O aeroporto de Punta Cana tem voos diretos para 96 cidades de 28 países. Os destinos mais populares são Paris, Miami, Cidade do Panamá, Toronto, Montreal, Moscou e dezenas de cidades nos Estados Unidos, como Charlotte, Nova Iorque, Atlanta, Newark e Philadelphia.

A GOL lançou no início do mês a rota de Guarulhos para a República Dominicana. As passagens já podem ser compradas com preços a partir de U$ 799 (cerca de R$ 1826,50) ida e volta. A companhia aérea também solicitou à agência reguladora uma rota para o aeroporto de Brasília. A empresa não se pronunciará sobre o pedido até que a Anac dê o aval para o voo.

Depois de confirmado o vencedor do leilão, a diretoria da CCR, empresa com a maior fatia privada do negócio (75%), disse que a busca por novas rotas internacionais, que permitissem aos mineiros voar para o exterior sem fazer conexão em Rio e São Paulo, era um dos objetivos do grupo. Segundo a diretoria de Operações da BH-Airport, empresa criada para administrar e operar Confins, a empresa esteve envolvida nas conversas para a confirmação do voo. Atualmente, o aeroporto de Confins tem voo direto para quatro cidades do exterior: Buenos Aires (Aerolíneas Argentinas), Lisboa (TAP), Cidade do Panamá (Copa Airlines) e Miami (TAM e American Airlines).

PANTANAL O voo da Azul para Campo Grande inicia a operação em 7 de novembro. O pedido também está em análise na Anac. A frequência será diária. O avião deve sair de Confins às 13h40, de segunda a sexta-feira, pousando às 14h30 em Campo Grande. De lá para cá, a aeronave decolará às 15h, de domingo a sexta, para pousar às 17h50. “Incluiremos Campo Grande nos destinos servidos a partir de Confins e ampliaremos as frequências para Cuiabá em virtude da demanda que temos recebido de clientes que desejam viajar nestas rotas”, afirma o diretor de Planejamento e Alianças da Azul, Marcelo Bento.

A partir de Campo Grande é possível o passageiro voar para Corumbá, enquanto de Cuiabá tem ligação para Ji-Paraná, Porto Velho e Sinop. Com o novo voo, a Azul passa a ter 30 rotas diretas a partir de Confins em mais de 70 voos diários. O aeroporto é o segundo hub da companhia aérea, depois de Viracopos (SP).

Exercício da FAB aproxima pilotos e controladores

Publicado: 26/08/2014 13:45h

Um dos objetivos da BVR2/Sabre é fortalecer a integração em ambientes de guerra
“Na visão da Terceira Força Aére  a (III FAE), essa é a forma qualificada e eficiente de fazer defesa aérea no território nacional”. Assim o Comandante da III FAE, Brigadeiro do Ar Mario Luís da Silva Jordão, definiu uns dos elementos fundamentais da Operação BVR2/Sabre: o fortalecimento da integração entre pilotos e controladores de voo em um ambiente de guerra.

O exercício operacional reúne mais de 500 militares de 15 Esquadrões da Força Aérea Brasileira até o próximo dia 18 de setembro em Anápolis (GO). Um total de 62 aeronaves 
F-5M, A-1, A-29, E-99 e KC-130, além da Aeronave Remotamente Pilotada Hermes 450 e do Primeiro Grupo de Defesa Antiaérea (1° GDAAE), são utilizadas em missões de Controle e Alarme em Voo, Defesa Aérea, Escolta, Reabastecimento em Voo, Varredura e Vigilância e Controle do Espaço Aéreo, dentre outras.
Segundo o Brigadeiro Jordão, os procedimentos adotados representam a evolução da experiência adquirida em exercícios como a CRUZEX Flight 2013 e a norte-americana Red Flag. “O que está sendo aplicado aqui representa um salto para o desempenho, avaliação e aprendizado. Entramos em uma nova fase”, completa.

O Sargento Cleyton do Nascimento Nunes, do Terceiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (3º/1º GCC), unidade localizada em Parnamirim (RN), explica que o trabalho do controlador é sequenciar e ordenar o tráfego aéreo, civil ou militar.Para ele, no cenário de defesa aérea, o papel do controlador é fundamental para o sucesso das missões. “O ponto de vista do piloto é limitado pela dimensão da imagem fornecida pelo radar da aeronave. Já o controlador vê tudo, inclusive aquilo que está fora do espaço do radar. É justamente essa visão completa, geral, que pode fazer a diferença para o sucesso do combate”, revela.

O Sargento ainda destaca que o procedimento adotado pela Operação permite que o controlador passe a ser agora um elemento muito mais ativo e participativo na
tomada de decisões. “A BVR2/Sabre é um divisor de águas. Até agora vivíamos enquanto dois mundos, bem preparados e parceiros, mas independentes. Hoje esses mundos criam uma interseção. Compartilhamos de forma mais direta, participativa e presencial táticas e técnicas específicas e, portanto, aprendemos a pensar em conjunto”, explica.
  Cabo V Santos/ Agência Força Aérea
De acordo com o Coronel Paulo Roberto Moreira de Oliveira, Chefe do Estado-Maior da III FAE, fortificar a interação entre pilotos e controladores parece fácil na teoria, mas exige treinamento efetivo e prática constante. “Qualquer processo de aprendizado chega a um ponto em que precisa interagir com outros saberes para fortalecer e aprimorar esse avanço. A Força Aérea Brasileira vive esse momento. A Operação BVR2/Sabre leva a aviação de caça para o próximo nível ao aproximar pilotos e controladores e desenvolver uma parceria cada vez mais eficiente”, finaliza.